Hoje: Tour pela Europa

Entre os dias 19 de maio e 6 de junho, a estudante Clara Pereira Tafner Mello, de 18 anos, fez uma viagem à Europa, com seu irmão Thobias. Eles visitaram 12 países: Alemanha, Suíça, França, Áustria, Itália, Luxemburgo, Bélgica, Holanda, Inglaterra, Dinamarca, Suécia e Liechtenstein. “Fiz conexão na Turquia, em Istambul e desembarquei em Frankfurt, na Alemanha, onde ele estava me esperando com um carro alugado, para começarmos essa experiência fantástica. Os primeiros 8 dias foram incríveis, pois viajamos pelos Alpes Europeus, a cordilheira (cadeia de montanhas) mais importante da Europa, e que foi cenário de muitos momentos relevantes da história Antiga… Cada curva, uma paisagem diferente e mais linda; palavras não descrevem tamanha beleza e o sentimento de estar lá. Cada vilarejo, cada cidadezinha que surgia no meio das montanhas ficaram marcadas no coração”, conta ela, que enviou um relato falando um pouco sobre cada país.

Fale, Clara!

Na França conhecemos Nice, que fica na região chamada Riviera Francesa, uma cidade de filmes de cinema; Chamonix é a cidade onde fica o “Mont Blanc”, o ponto mais alto dos Alpes (4810m de altitude). Lá fomos ao Auiguille Du Midi, a montanha que tem a melhor vista para o Mont Blanc.

Paris também fez parte da rota. A Torre Eiffel é maravilhosa, não dá para explicar a sensação de quando a vi pela primeira vez. Também visitamos a Catedral de Notre-Dame de Paris, o museu do Louvre e o Arco do Triunfo.

Uma cidade francesa que marcou muito foi Amiens. Paramos lá só para dormir e fomos surpreendidos, no dia seguinte, ao visitar uma Igreja Católica. A catedral de Notre-Dame de Amiens é uma das maiores catedrais góticas das França, que começou a ser construída em 1220 e terminada em 1366. É considerada como a mais importante mostra das construções religiosas francesas. Sobreviveu à Revolução Francesa, à Primeira Guerra Mundial e ao bombardeio que a cidade sofreu em 1940. A riqueza de detalhes na construção é impressionante. Tivemos muita sorte, entramos na catedral e a missa estava começando. O que sentimos quando o órgão começou a tocar foi fascinante, uma energia muito forte lá dentro.

Na Suíça, ficamos 2 dias, em Zermatt, uma cidade pequena com 6 mil habitantes, que fica aos pés do Matterhorn, uma montanha maravilhosa. Por ser rodeada de montanhas, a cidade lota o ano todo. No inverno, por conta das estações de esqui e no verão, para quem gosta de aventura, descer as enormes montanhas de bike é uma diversão, e foi o que fizemos; o tráfego de automóveis é proibido, então alugar bicicletas é muito fácil. O carro ficou numa cidadezinha ao lado, e fomos de trem. Foi sensacional!

Campo de concentração visto de cima, Alemanha

Alemanha é demais! Na capital, Berlim, conhecemos o Palácio do Reichstag, o prédio que abriga o parlamento alemão; o portão de Brandenburgo, um monumento lindo, que marcou a divisão entre o ocidente e oriente de Berlim, durante a Guerra Fria e, hoje, é símbolo da reunificação; a East Side Gallery, uma galeria de arte ao ar livre, no lado leste (oriental) do antigo Muro de Berlim, que foi preservado da demolição. Em Oranienburgo, uma cidade a 40 minutos de Berlim, fizemos o passeio mais emocionante da viagem toda. Visitamos o Sachsenhausen, um campo de concentração que foi considerado um dos 3 maiores campos de concentração do regime nazista na Alemanha, que teve seu funcionamento até abril de 1945.  Foi indescritível atravessar aquele portão e entrar num lugar onde tantas pessoas sofreram. A energia que paira por lá é muito estranha, parece que todo o sofrimento ainda está lá. Em Munique, umas das maiores cidades alemãs, fomos à famosa cervejaria Hofbraühaus. Comemos o típico joelho de porco alemão, chucrute e vários tipos de salsichas; é claro que experimentar a cerveja não poderia ficar fora do cardápio. É um lugar muito conhecido e visitado, pois lá foi realizado o primeiro evento político importante do Partido dos Trabalhadores Alemães, em que Adolf Hitler apresentou vários projetos e ideais do partido nazista.

Na Itália, conhecemos Milão e algumas cidadezinhas. Milão é a cidade italiana mais populosa e a segunda maior da União Europeia. Como qualquer pessoa faria e realmente todos que visitam a Itália devem fazer, comemos pizza e tomamos sorvete; particularmente, prefiro a pizza do Brasil, mas o sorvete… Conhecemos a Piazza Del Duomo, a praça onde fica a fantástica Catedral de Milão.

Na Áustria, conhecemos Innsbruck, Hallstatt, Salzburg e claro, Viena, a capital. Cada cidade única e linda, com suas peculiaridades e cultura. Viena, a cidade natal de Mozart, tem 1,6 milhão de habitantes e já foi considerada a melhor cidade do mundo para se viver. Lá conhecemos o Palácio de Schönbrunn, também chamado de Palácio de Versalhes de Viena, um dos principais monumentos históricos e culturais da Áustria.

Enfim, a viagem toda foi fantástica e inesquecível. Um roteiro que vale a pena vivenciar!

Innsbruck, Austria

Participe! Compartilhe conosco sua experiência, entrando em contato pelo e-mail contato@jornalomunicipio.com.br

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.