2ª Bienal Internacional de Arte Naïf Totem Cor-ação segue até 15 de outubro

A abertura da 2ª edição da BÏNaif – Bienal Internacional de Arte Naïf Totem Cor-ação, sob coordenação de suas idealizadoras: Marinilda Boulay, o “Totem”, e Rosângela Politano o “Cor-Ação”, desenrolou-se no final de semana passado quando a mostra iniciou entre cortejos, homenagens, debate de ideias, teatro de mamulengo, publicação de cordel e de catálogo. Esse conjunto de atividades foi compartilhado entre os artistas de diversas regiões do país e seus familiares, vindos especialmente para o evento, os artistas locais e o público.

Na propriedade de Marinilda e Bruno Boulay, sede do ITC, Instituto Totem Cultural, os artistas foram recebidos com um café caipira de boas vindas, realizado pela Irene e sua mãe Maria José, do “Sabores do Currupira”, na decoração flores de palha de milho, e na farta mesa nossas especialidades gastronômicas, inclusive o “João deitado”, bolinho de fubá de milho cozido na folha da bananeira, do qual poucos socorrenses ainda detém a receita.

Entre autoridades, parceiros, e convidados, os artistas iniciaram duas telas coletivas, que foram sendo realizadas ao longo dos dois dias do evento. A artista Marilene Gomes, hospedada no espaço dedicado às residências de artista no ITC, realizou uma obra  durante sua estadia.

Em seguida o almoço e o debate de ideias aconteceram no Alpes Fazenda Hotel, numa altitude de mais de 1400 metros, revelando na paisagem o porque nossa cidade também é chamada de Morena da Fronteira, ficando entre o  café paulista, e o relevo mineiro. A tarde os artistas puderam saborear um gostoso café caipira oferecido pela ACE, Associação Comercial e Empresarial de Socorro, quando receberam o catálogo da mostra, e uma caixinha, realizada em cerâmica por Marinilda Boulay para ali guardar os tesouros colhidos durante o evento.

Na abertura oficial, entre pronunciamentos e homenagens, aconteceu a performance do artista “Indio Gladiador”, de Palmeiras na Bahia, que veio especialmente com sua indumentária composta por elementos de reciclagem recolhidos pelo próprio artista, que por si nos lança a reflexão de como o processo de reciclagem pode ser transformador para o desenvolvimento da sustentabilidade. Ele nos convida a adotar um recipiente que permita parar de utilizar os copos plásticos, sobretudo nas portas da primavera e do verão, onde o consumo de agua é ainda maior.

Dali, conduzidos pela Congada de São Benedito e Divino Espirito Santo e a Folia de Reis, os artistas e o público descobriram a grandiosidade da exposição propriamente dita no Museu Municipal.

No domingo os artistas e convidados puderam degustar um almoço caipira com vivências artísticas e novos pronunciamentos no Projeto Cor-Ação, onde o escultor Jovino Gama em residência artística, desenvolvia uma escultura em madeira. Destacamos a consolidação de uma parceria com a cidade de Itapecerica da Serra, que já desde esse ano dedicou uma “Vitrine” em sua Prefeitura à BÏNaif.

A tarde pequenos e grandes divertiram-se com o Teatro de Mamulengos do grupo de Valdeck de Garanhuns, que foi dedicado ao patrimônio imaterial brasileiro, com foco no cordel, e na xilogravura, aos quais essa edição da BÏNaif  presta homenagem.

Muitos artistas continuaram na cidade depois do evento de abertura; destacamos a estadia do artista paraibano Tito Lobo, que realizou oficinas gratuitas às escolas públicas no Museu Municipal.

Visite!  – Com visitas acompanhadas e oficinas, que podem ser agendada pelas escolas, a exposição segue até dia 15 de outubro no Museu Municipal. São 211 obras, dos 156 artistas (alguns com 2 ou mais obras).

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.