A Escoliose pode atingir todas as idades e necessita de tratamento especializado

No mês da Conscientização Mundial sobre a Escoliose, o médico ortopedista dr. Marcos Aurélio Verzani e a fisioterapeuta especialista em Ortopedia, Mariângela Verzani Silvério Pereira, falam sobre essa doença extremamente complexa e progressiva.

O que é
A “escoliose” é um desvio da coluna vertebral que ocorre para o lado esquerdo ou direito, resultando em um formato de “S” ou “C”, na coluna.
As escolioses podem apresentar evoluções muito diferentes, pela variação da sua progressividade e gravidade de suas curvas. Ou seja, a torção que a coluna faz para os lados, frente e atrás é que determinará a gravidade da escoliose, dependendo do grau dessa torção.

Causas e tipos de Escoliose:
70% a 85% dos casos são de causas desconhecidas:
– Infantil: até os 3 anos de idade.
– Juvenil: dos 3 aos 9 anos.
– Adolescente: dos 10 aos 18.
– Adulto: após os 18 anos de idade.
Nas crianças e adolescentes, alguns sinais podem ajudar a identificar este tipo de escoliose:
– Cintura com aparência desigual.
– Corpo com inclinação maior para um lado.
– Ombros e quadris assimétricos (um mais alto que o outro).
– Eventual desconforto muscular.
– Uma perna que parece menor do que a outra.

Outras causas:
– Neuromusculares.
– Sequela de doenças neurológicas, como a poliomielite, paralisia cerebral e distrofia muscular ou seja, de fraqueza muscular.
– Congênita – por anomalias na má-formação ou da divisão das vértebras que se apresentam desde o dia do nascimento (responsável por 10% dos casos).
– Pós-traumática.
– Degenerativa do adulto:
Em adultos pode ser resultado, também, da progressão de uma deformidade que não foi diagnosticada na adolescência. Ou, ainda, ser causada pela degeneração dos discos da coluna vertebral e de suas articulações, em uma coluna previamente sadia, como resultados típicos do avanço da idade.
Crianças saudáveis podem ter escoliose, ocorrendo mais nas meninas, cerca de 5 a 8 vezes mais do que nos meninos. Se não for severa o bastante, a escoliose pode não ser percebida na fase da adolescência, podendo ou não progredir, sem necessidade cirúrgica.
A osteoporose também pode causar aumento rápido das curvas, pela alteração do formato dos ossos.

Sintomas
A escoliose, na maioria dos casos, costuma ser assintomática ou com sintomas discretos. No entanto, o paciente poderá sentir:
– Fadiga nas costas, após ficar muito tempo sentado ou em pé.
– Dor muscular, de leve a intensa, dependendo de cada caso.
– Deformidades moderadas a graves podem gerar transtornos psicológicos e o seguimento conjunto com a especialidade, normalmente é necessária! 

Para os pais.
Sinais físicos:
– Um ombro é mais alto do que o outro.
– Um ombro sobressai mais que o outro.
– Um lado do tórax parece maior do que o outro.
– Um quadril parece mais alto ou mais proeminente do que o outro.
– A cintura pode parecer desigual.
– O corpo se inclina para um lado.
– Uma perna pode parecer menor do que a outra.

Qual profissional devo procurar?
O médico ORTOPEDISTA faz o diagnóstico por meio de testes clínicos e de radiografias, e avaliará a necessidade de o tratamento ser clínico ou com necessidade de cirurgia, pela mensuração real do grau que a escoliose apresenta naquela determinada idade; em todos os casos de escoliose, sempre é importante fazer um diagnóstico precoce.

Qual é o tratamento para a Escoliose? A Escoliose tem cura?
O tratamento da escoliose baseia-se na idade, na flexibilidade, na gravidade da curva e no grau da angulação.
Quando as curvaturas são diagnosticadas, podem ser tratadas com a FISIOTERAPIA, baseada em evidências especializadas na área, atividades físicas de fortalecimento muscular especializado e, se necessário, terão uso de palmilhas posturais e uso de colete ortopédico de Boston ou de Milwakee. Curvas mais graves ou com progressão rápida poderão necessitar de cirurgia
O trabalho da FISIOTERAPIA obtém resultados extremamente satisfatórios e comprovados, utilizado um atendimento único e individual, por meio da especialidade da Ortopedia, pela TERAPIA MANUAL administrada junto com a chamada Reeducação Postural Global (RPG), podendo resultar positivamente.
Lembre-se de que o acompanhamento especializado é fundamental, e crianças que apresentam curvatura maiores de 20 graus devem ter acompanhamento médico ortopédico periódico, com exame físico e radiografias. Ainda não existe tratamento medicamentoso para a escoliose, nem prevenção.

Serviço
Dr. Marcos Aurélio Verzani é MÉDICO ORTOPEDISTA, especializado pela UNICAMP
Ft. Mariângela Verzani Silvério Pereira é FISIOTERAPEUTA especialista em ORTOPEDIA, pela UNICAMP
Ambos, com consultório na Clínica Center – Rua Marechal Deodoro, 99 – Centro/ Socorro. Telefone (19) 3895-1020 / (19) 99249-5569 WhatsApp.

 

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.