Hoje: Tomar/ Portugal

O grupo da Peregrinação Mariana, organizado pelo padre Vicente Rosa Júnior, já a caminho de Lisboa, vai passar por três locais sagrados. É Rozineia Tinti quem vai nos falar sobre esses locais, começando por Tomar, uma cidade com 20 mil habitantes, um dos mais significativos pontos históricos de Portugal, Tomar foi um dia o “quartel-general” da poderosa Ordem de Cristo dos Cavaleiros . Antiga sede da Ordem dos Templários, Tomar é uma cidade de grande encanto, pela sua riqueza artística e cultural.

Fale, Néia!
Depois de visitar Fátima, rumamos para Lisboa, saindo bem de manhãzinha, para passarmos por Tomar, Nazaré e Óbidos,

Começando por Tomar, visitar o Castelo dos Templários foi uma experiência única e interessante, pois adoro o período medieval.

Inicialmente, com ligação aos templários e mais tarde, com a descoberta de novos mundos, pelos navegadores portugueses, é um monumento obrigatório a ser visitado. A sensação que se tem é que retornamos à idade média.

O templo associa Castelo e Mosteiro juntos, dos tempos em que a realeza e a igreja andavam de mãos dadas, e formam um conjunto arquitetônico e histórico fabuloso, uma das mais lindas peças da arquitetura européia do renascimento da Idade Média.

Um dos locais mais belos de mundo!

Tomar se situa à 130 km ao norte de Lisboa, no centro de Portugal. Essa cidade se desenvolveu ao redor do castelo dos Templários,que foi construído no topo de uma colina, de onde se tem uma vista maravilhosa e um vento absurdo.

Que viagem ! Impressionante!

Vou contar um pouco da história dos templários, para se entender a importância do local. A ordem foi criada em Jerusalém no século XII, por volta de 1118, para defender os lugares santos da Palestina. Os cavaleiros templários também eram monges, deviam fazer voto de pobreza e castidade e só se vestir com mantos brancos, com uma cruz vermelha (qualquer semelhança com Game of Thrones não é mera coincidência). A ordem se espalhou por toda a Europa , e os templários tinham a missão de proteger, ajudar e acompanhar os peregrinos até a Terra Santa, sendo fiéis depositários dos valores dos viajantes, como dinheiro, joias e documentos.Os cavaleiros da fé cristã carregavam a cruz que simbolizava a expansão da cristandade no mundo. Com as cruzadas, acumularam uma fortuna e muitos segredos, e o voto de pobreza só ficou no mundo das idéias. Por terem auxiliado D. Afonso Henriques, fundador de Portugal, na sua reconquista, foram agraciados com as terras de Tomar e os que aí decidiram fixar morada, deram início a essa magnífica construção que se iniciou no ano de 1160 e durou cerca de 44 anos para ficar concluída.

Os templários deixaram histórias, lendas e monumentos e, dentre os muitos mistérios que os envolvem, está o de que seriam os responsáveis pela guarda do Santo Graal.

Após dois séculos da criação da ordem, os templários começaram a ser perseguidos na França, pelo então Rei Felipe o Belo, e a ordem foi extinta pelo papa corrupto Clemente V. D. Diniz, aquele que fez o que quis, assume a defesa dos monges e os abriga em outro local, e funda a Ordem de Cristo para a qual transfere todo o rico patrimônio dos templários. Dessa maneira, D. Henrique tornou-se grão mestre da ordem e financia as navegações para os descobrimentos portugueses, incluindo-se aí, o descobrimento do Brasil.

O primeiro local a ser construído foi a Charola, a igreja templária e ao seu redor desenvolveu-se, ao longo do tempo, o enorme convento com os claustros em forma do cruzeiro do sul. O Templo possui um total de nove claustros, entre eles o Refeitório, onde se faziam as refeições, ouvindo trechos da Bíblia, local com excelente acústica; o Portal Quinhentista; o Arquivo; a Sacristia nova; a Capela de Porto carreiros e a famosa Janela Manuelina.

Visitamos a Charola, primitivo templo românico, circular, réplica do Santo Sepulcro, lindamente decorada e que representa a paixão de Cristo e sua Ressurreição, em Jerusalém. Totalmente restaurada, é a mais bem conservada do mundo. Beleza ímpar! Ficamos um bom tempo andando pelos claustros, como o do Cemitério que servia para procissões e enterro dos templários; o claustro da Lavagem, onde eram executados os trabalhos domésticos e lavagem dos hábitos; o claustro dos Corvos, que era um espaço de recolhimento,estudo, leitura e oração; o claustro da Micha, onde se prestava assistência aos pobres e as sobras de pão eram distribuídas; o claustro principal do Convento, uma obra Manuelina, em cujo local são apresentados concertos, hoje em dia. Finalmente, a linda janela Manuelina que simboliza a árvore da vida e o tronco de Jesse, segundo as escrituras. Celebra as glórias da expansão marítima.São conchas, cordas, corais, folhas, animais, seres imaginários e exóticos saídos da epopéia dos grande mares, que cobrem janelas, portas, arcadas, colunas e rosáceas. A esfera armilar, símbolo do poder dos reis, e a cruz da ordem de Cristo, símbolo do poder divino, são os motivos mais importantes da arte manuelina

Todo esse castelo é rodeado por um jardim extremamente bem cuidado, com bancos e os famosos azulejos portugueses. Conta com oito séculos de história e foi reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Uma viagem histórica! Imperdível! Ma-ra-vi-lho-sa!

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.