Intercâmbio em Portugal

Nesta semana quem nos escreve lá de Portugal é Beatriz Gomes Moreira, de 21 anos, graduanda do 3º ano do curso de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade São Francisco.

A USF possui um programa de mobilidade que dá a oportunidade aos alunos de estudarem em outros países, pelo coeficiente de rendimento acadêmico. Dentre as opções propostas para o curso de Arquitetura e Urbanismo estavam: México, Chile, Colômbia, Índia, Espanha e Portugal. Beatriz se inscreveu para Chile e Portugal e acabou sendo aceita nas duas.

“O fato de poder cursar Arquitetura na Europa, com a possibilidade de conhecer não apenas Portugal, mas alguns outros países, além da arquitetura clássica, fizeram-me optar por Portugal. Estou cursando Arquitetura Paisagista pela Universidade do Algarve, em Faro”, conta a estudante.

Fale, Bia!

Estou aqui faz um mês e, por estar no outono, preferi optar por conhecer o quanto antes as famosas praias do Algarve que, sinceramente, são incríveis! A mais linda: Praia da Marinha – a combinação das falésias com a água cristalina torna o lugar inesquecível. Caverna de Benagil também é muito conhecida no sul de Portugal. Algumas outras: Praia do Camilo, Praia do Barril, Praia de São Rafael, Praia dos Pescadores e Olhos Dágua (lindo pôr do sol). Todas lindas!

Conheci a cidade de Sevilha, na Espanha e fiquei apaixonada com tudo que vi. É encantadora! Está sendo a minha preferida, levando em conta o fato de eu ser uma estudante de Arquitetura: castelos, igrejas… tudo muito lindo! Para os amantes de Games of Thrones, tenho uma foto no Real Alcazar, onde foi gravada uma cena da série. Conheci, também, Gibraltar, território britânico no extremo sul da península ibérica. Estando no “Estreito de Gibraltar”, estando no território britânico, é possível ver o continente Africano de um lado e a cidade de La Linea de la Concepicion, de outro, na Espanha. Além disso, o grande rochedo de Gibraltar foi palco de grandes guerras, onde ainda se preservam as cabines, os mirantes e os canhões daquela época.

Por se tratar de um país na Europa, acaba sendo “próximo de tudo” e a intenção é conhecer outros países e cartões postais da continente. Mas, antes, focar nos estudos e aproveitar o máximo o que a universidade tem para me oferecer – aliás, a universidade é maravilhosa. Depois, é só aproveitar!

A gastronomia é marcada por peixes (bacalhau, principalmente), azeites, azeitonas, muito vinho, pasteis de nata, presuntos… São alguns exemplos. Ah, aqui tem feijão! Enlatados e os colhidos para cozinhar, normal.  Que bom!

Sobre o idioma, realmente há algumas diferenças. Expressões como “Não entendi” eles dizem “Não percebi” (Não percebi o que você quis dizer), da mesma forma quando falamos no Brasil “Você entendeu?” Eles dizem “Estás a perceber?”… Foi a primeira coisa que me chamou atenção quando cheguei, além do conhecido uso do “pois”.

Já nas palavras, coloco algumas: giro/fixe – legal; autocarro – ônibus; comboio – trem; casa de banho – banheiro; miúdo – criança; telemóvel – celular; fiambre – presunto; chávena – xícara; sítio – lugar; equipa – time; rés-do-chão – térreo; rapariga – moça; gajo – homem; cacete – pão; rato – mouse.

Estudar em Portugal está sendo uma experiência incrível e, mesmo o português sendo a língua oficial, pelo menos na região do Algarve, existem muitos estrangeiros: da Polônia, República Tcheca, Espanha, França, México, Eslováquia, Alemanha, Irã, Turquia, Itália, Bulgária dentre muitos outros, e a comunicação, é o inglês, claro! Há salas de aula em que o percentual de estrangeiros é maior do que de alunos portugueses.

Aqui, a questão de “semestre” é bem diferente do Brasil. Não é semestre, é ciclo. O 1º Ciclo inicia-se em setembro e vai até dezembro. Após as festas de Natal e Ano Novo acontecem os exames para quem não passou na matéria. O 2º Ciclo  vai de fevereiro até maio, sendo junho para exames. O fato do período de estudos ser reduzido não significa ser mais fácil, pelo contrário, são objetivos demais nos conteúdos e aí você acaba aprendendo muita coisa em pouco tempo. É bem corrido, mas vale muito a pena!

Não consigo pensar em argumentos “contra”. O mais difícil de tudo é a saudade, sem dúvidas. Deixar todo mundo, vir sozinha para um lugar totalmente diferente requer um pouco de coragem. Mas o tempo passa rápido e é tanto aprendizado, tantas situações que nos fazem sair da zona de conforto que, quando você percebe, já está quase acabando.

Enfim, estudar onde é bom viver, esse é o lema da UAlg. Foi um prazer!

Para quem quiser ver mais fotos do intercâmbio de Bia, basta seguir seu perfil no Instagram: @gomessbia_.

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.