Os 80 anos do Lar Dom Bosco!

Na última segunda-feira, dia 7 de setembro, o Lar Dom Bosco celebrou seus 80 anos de fundação. Criado em 1940, pelo mestre Agostinho, sempre cumpriu sua missão de abrigar meninos órfãos e em situação de risco. Em 2015, ele também passou a abrigar meninas, tornando-se misto.

A entidade assistencial, sem fins lucrativos abriga, atualmente 23 crianças, sendo 15 meninos e 8 meninas.

“Gostaríamos de celebrar em grande estilo, mas neste momento de enfrentamento de uma pandemia, a comemoração foi feita em nossos corações. Seguimos em frente com a nossa Missão de resgatar a infância de centenas de crianças e adolescentes ao longo destas décadas”, destacou a presidente Eduarda Peretto, em nome de toda a diretoria.

O Lar do Bosco se mantém por meio de um repasse da Prefeitura e doações em dinheiro, cestas básicas, produtos de limpeza, roupas e brinquedos. Além disso, diversos eventos realizados ao longo do ano arrecadam verbas para complementar a renda e ajudar com as principais despesas.

“A doação de itens para o nosso cotidiano e em dinheiro ajudam muito. Mas também estamos sempre em busca de voluntários para nos ajudar nestes eventos que são realizados e nos projetos do próprio lar. Um deles é o de apadrinhamento, cujo objetivo é proporcionar aos acolhidos da instituição a oportunidade de vivenciar um modelo concreto de convivência familiar e comunitária, por meio dos voluntários pré-cadastrados pela equipe técnica na entidade”, completa a presidente.

“No momento só temos a agradecer. ao fundador Mestre Agostinho, a todos que já passaram pela Diretoria, aos funcionários, colaboradores, voluntários e à população de Socorro que não mede esforços para nos ajudar”, completou ela.

Um pedacinho da história

O Lar Dom Bosco nasceu informalmente em 1939, graças ao grande esforço do educador Agostinho Ernesto de Oliveira, sua amizade com o bispo da Cúria Metropolitana, Dom Ernesto de Paula e o apoio da comunidade socorrense.

Somente com a conquista da confiança, do carinho e do respeito dos socorrenses, mestre Agostinho, o professor que veio de São Paulo para ministrar aulas aos filhos de famílias abastadas de Socorro e região, pode criar os meninos cuja vida dificultava ou apartava do convívio familiar, fosse por causa de morte, pobreza ou qualquer outro problema.

Apesar dos esforços educacionais terem como pagamento a disciplina rígida correspondente à época, o Lar Dom Bosco promovia comemorações que eram ansiosamente aguardadas pelos meninos que ali moravam e toda a comunidade socorrense que com eles compartilhavam histórias e momentos inesquecíveis. Entre esses, a festa junina do Lar, a comemoração cívica de 7 de Setembro e a Festa do Lar Dom Basco, no fim do ano.

Em meio ao exercício de patriotismo e amor à Pátria do dia 7, por exemplo, as crianças eram organizadas em pelotão. Fardadas e acompanhadas pela Banda, marchavam pelas ruas da cidade até o local onde o “Grito da Independência” era encenado. No momento do grito, o socorrense que interpretava o D. Pedro l, costumava dar mostras de sua respectiva habilidade no lombo de um cavalo.

Para cuidar e educar os meninos do Dom Bosco, mestre Agostinho ia além das letras do alfabeto, ele usava de sua habilidade culinária para possibilitar o sustento dos pequeninos. Mas, na preparação da Festa do Lar, a carrocinha usada para vender uma das especialidades do professor, a geleia de mocotó, dirigia-se à padaria do senhor Romeu para buscar o “Pão Monstro”, apelido do pão que pesava de 60 a 70 kg e abastecia à casa por alguns dias. Nessa Festa, os pratos de uma bateria davam o compasso das marchinhas cantadas pelas crianças que, ao redor da mesa, comiam doces e pedaços do tal pão.

Entre tantas histórias, como a do jumento do Dom Bosco que na parte mais íngreme do morro que leva à sede da instituição sempre empacava: deixando para trás parte da carga para os meninos carregarem, está aquela que explica a data da fundação do Lar.

Oficialmente, a primeira reunião da instituição aconteceu no dia 19 de abril de 1941, porém, o 7 de setembro de 1940 foi adotado como o dia de nascimento do Lar Dom Bosco, em consideração à data que simbolicamente marcou a vida, a história e a lembrança daqueles que presenciaram as lutas e as conquistas de seu idealizador, mestre Agostinho Ernesto de Oliveira. Em sua homenagem, foi erguido um busto que está fixado bem de frente ao caminho que leva ao Lar Dom Bosco, na praça onde fica a Delegacia Municipal de Socorro, esquina com a Rua Antonio Leopoldino.

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.