Projeto socorrense que incentiva tradição das Congadas recebe novo reconhecimento em prêmio do Ministério da Cidadania

A esquerda Mestre Pedro Cesar da Congada de São Benedito e Divino Espirito Santo de Socorro, Bruno Boulay do ITC, membros da congada do Bairro dos Rubins conduzida pelo Mestre Maciano e Marinilda Boulay durante o projeto Congadas: cortejo de cores e devoção.

O projeto “Congadas: cortejo de cores e devoção”, que já tinha sido contemplado em 2017 com um prêmio do Governo do Estado de São Paulo, por meio da sua Secretaria de Cultura e Economia Criativa/ProAC, Programa de Ação Cultural,  recebe agora o reconhecimento do Governo Federal pela atual Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania.

A transmissão dos saberes ancestrais das congadas às novas gerações é um dos pontos nevrálgicos desse projeto orquestrado por Marinilda Boulay, que na mesma ocasião recebe o título de Mestra por suas ações de fomento às nossas congadas e à cultura popular e tradicional brasileira. O mesmo prêmio, que  foi atribuído à sua mãe Mestra Dona Leonor (In memoriam)  em 2012 por suas ações com o projeto “Congadas nas escolas”.

Com esse prêmio o “Congadas: cortejo de cores e devoção” recebeu um grande incentivo para a continuidade de suas ações em 2019, e vai seguir realizando oficinas de contação de história das congadas em escolas da zona urbana e rural da cidade; incrementando os instrumentos musicais e indumentárias das congadas; rea-lizando apresentações do grupo fora de Socorro e um vídeo, que ajuda na  transmissão do testemunho vivo dos membros anciãos das congadas às gerações futuras. Uma exposição leva as cores desse cortejo de devoção para o Museu Municipal entre os dias 02 e 31 de agosto.

Marinilda que é presidente do ITC, associação que há mais de 10 anos vem realizando ações de valorização da nossa cultura tradicional, comenta: “Estamos muito felizes com essa recompensa que aponta para a urgência de continuar promovendo ações de transmissão das congadas entre gerações, pois Socorro é uma das poucas cidades, onde ainda se tem essa manifestação, sabendo-se que, como no resto do estado, ela está em extinção. Para termos uma ideia dessa necessidade basta lembrarmos que até 1930 Socorro sozinha  chegou a ter por volta de 70 congadas ativas, e que hoje segundo pesquisa realizada entre 2015 e 2016 pelo CECP – Centro de Estudos da Cultura Popular e o IPHAN foram identificados somente 80 grupos de congadas no estado de São Paulo como um todo, entre ativos e na memória recente”.

Marinilda conclui: “A  Congada de São Benedito e Divino Espírito Santo,  é um patrimônio cultural imaterial socorrense, hoje temos na cidade a Congada dos anciãos na zona urbana e duas outras na zona rural, uma no Bairro Rubins, cujo Mestre é o sr. Maciano e outra no Bairro Moraes, que tem continuidade graças aos esforços de Joelma Vaz de Lima e Selma V. Zanesco, da Escola José Dini. A congada confirma a missão histórica do nosso povo, formado pelo sincretismo de várias culturas, compreendendo a indígena, que aqui já estava antes da colonização, a europeia, e por fim a de matriz afro-descendentes. Nosso povo é feito da mistura e já tem a tolerância com o que é diferente no seu sangue, sendo um exemplo para os outros povos e continentes”.

Para conhecer um pouco mais sobre nossas congadas, visite os sites:
congada.art.br
congadacongadinha.com.br
totemcultural.org.br

Compartilhar/Favoritos

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Você deve ser de logged em para postar um comentário.