Alergia múltipla rara restringe a alimentação de Matheus: a Record faz matéria sobre o assunto

Leitura obrigatória

O pequeno Matheus, de 4 anos, é um lindo e esperto garotinho que, desde o nascimento, convive com uma alergia múltipla, que o impede de se alimentar com alguns produtos, especialmente os que contêm proteína de leite.

Matheus é filho de Adriana e Valderci (Vavá) Felisbino e, quando mamou pela primeira vez já teve uma reação alérgica. Foi a dra. Elaine Bueno de Souza, quando ele foi levado ao Posto de Saúde que, de imediato, recomendou a restrição ao leite de vaca, do qual sua mãe se alimentava.

Adriana parou de tomar leite e seus derivados, e o garotinho pôde ser amamentado até 1 ano e meio, sem qualquer problema alérgico. Por sua vez, ao deixar de se alimentar com produtos que continham proteína de leite, Adriana nunca mais teve crises de bronquite e asma, com as quais convivia desde criança.

Conforme foi crescendo, Matheus começou a apresentar alergia a outros alimentos, descoberta com o tratamento que fazia com a dra. Claudia di Giorgio Viu, na Unimed de Bragança Paulista. Atualmente, no Hospital das Clínicas, em São Paulo, os médicos fizeram novos testes que confirmam que ele tem uma doença rara, a alergia múltipla, com risco de reação anafilática, por exposição a mínimas quantidades de vários alimentos.

O tratamento é complexo e exige cuidados constantes em casa, na escola e em todos os locais onde esteja, para que não sofra nenhuma reação. Matheus estuda na Cemei Central e conta com todos os cuidados de professoras e diretora. Ele leva para a escola todos os alimentos que precisa.

“Só de sentir o cheiro ou tocar em um desses alimentos, ele pode ter uma reação alérgica. Suas refeições são preparadas em vasilhas próprias, onde não há nenhum resquício dos alimentos proibidos”, conta a mãe.

E Matheus não pode comer nada que contenha proteína de leite de vaca, amendoim, macarrão, feijão, fígado de boi, não pode pegar em látex (bexiga) e outros alimentos como soja, carne vermelha, ovo laranja, milho e picada de formiga estão sendo testados. A reação aos alimentos proibidos é vermelhidão no corpo, inchaço no rosto ou no corpo, coceira, espirro, tosse ou a pele fica mais grossa.

“É muito mais que cuidados, é uma questão de segurança à saúde, para preservar a vida”, explica Adriana.

Ele estava em tratamento no Hospital das Clínicas, quando a TV Record foi fazer uma matéria para o Domingo Espetacular e a médica indicou o caso de Matheus, que se encontrava no local. Alguns dias depois o repórter veio para Socorro, para mostrar como era seu cotidiano em casa e na escola.

“Gostaria que todos assistissem à reportagem, por meio da qual a médica explica muito bem o que ocorre com Matheus, que leva uma vida totalmente normal, apenas com os cuidados necessários a sua alimentação”, ressalta a mãe. Adriana e Vavá agradecem à equipe da escola que, com dedicação, muito ajuda no tratamento do filho, que continua a ser feito no Hospital das Clínicas, onde os demais alimentos são usados sob observação da equipe médica de imunoalergia da dra. Ariana Yang, para verificar se há reação, e a quem seus pais também agradecem pelo empenho e carinho com que cuidam de Matheus. Também agradecem à nutricionista Eliane Mantovani e à psicóloga Célia Bonetti, que os ajudam no tratamento físico e espiritual de seu filho Matheus.

A matéria deve ser veiculada neste domingo, após o programa do Gugu, mas a data não foi totalmente confirmada, até o fechamento desta edição.

- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias