Engenheiro eletricista alerta sobre os cuidados com choques elétricos

Leitura obrigatória

Há cerca de 10 dias, uma morte por suspeita de choque elétrico, no bairro Lavras de Baixo, trouxe uma preocupação sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar acidentes com eletricidade. “Se a morte ocorrida no dia 15 foi realmente por choque elétrico, poderia ter sido evitada. Temos, hoje, no mercado, uma tecnologia que evita este tipo de acidente, mesmo que a pessoa tenha contato com locais que dão choque”, afirma o engenheiro eletricista, Giancarlo Mantovani, formado pela Universidade Federal de Itajubá.

De acordo com uma pesquisa da Secretaria Estadual de Saúde, a cada dois dias, uma pessoa morre no estado de São Paulo. Em 2010, foram registradas 167 mortes por choques elétricos. Giancarlo conta que a maioria dos acidentes causados pela rede elétrica acontece em situações cotidianas, seja na rua ou dentro de casa, e ressalta que podem ser fatais, independentemente da voltagem da rede elétrica. “ Os perigos da alta tensão são conhecidos de todos. Mesmo não sendo expert no assunto, as pessoas sabem que correm sérios riscos quando expostas a voltagens elevadas. No entanto, o que muitos ignoram é que a baixa tensão, presente nos equipamentos domésticos, também pode causar ferimentos sérios e até a morte. Todo mundo se preocupa com a alta tensão. Porém, a voltagem não é a única responsável pelas mortes causadas por choque elétrico. Uma corrente de 30 milésimos de ampères já é capaz de provocar fibrilação (arritmia) cardíaca.

A corrente elétrica opta por meio líquido e vai passar exatamente nos órgãos com estruturas líquidas, nos vasos, nervos e músculos, de preferência, e isso pode provocar arritmias, paradas cardíacas, lesões musculares, entre outras lesões internas”, explica ele.
Sobre os cuidados que devem ser tomados em dias de tempestade, Giancarlo alerta que a descarga elétrica vai buscar sempre o ponto mais alto para descarregar sua energia, portanto, caso esteja na rua durante um dia com alta incidência de raios, recomenda-se que a pessoa procure um local protegido e baixo. “A primeira orientação é não sair de casa em dias assim e se já estiver fora, evitar ser o ponto mais alto. Portanto, não saia do carro, pois, o raio nunca atingirá uma pessoa dentro do veículo e, caso não haja nenhum lugar para se proteger em campos abertos, fique agachado, até que a tempestade acabe”, orienta o engenheiro.

Com relação a cabos da rede elétrica que caem dos postes, Giancarlo afirma que deve-se sair do local o quanto antes, mas sem caminhar, evitando o choque causado pela tensão de passo. “O certo é a pessoa sair saltando, com os dois pés juntos até uma distancia segura. Em acidentes de carros, que atingem os postes, a orientação é a mesma”, afirma ele.

Dentro de casa os riscos são maiores, pela grande quantidade de aparelhos elétricos existentes em cada residência. Em primeiro lugar, os equipamentos devem ser retirados da tomada e o seu uso deve ser evitado durante as tempestades. Além disso, não é recomendável permanecer em áreas úmidas, como lavanderias, banheiros e cozinhas.

“Essas recomendações são importantes, principalmente pelo risco da descarga elétrica atingir a residência, caso sua rede elétrica não esteja bem protegida e seja atingida por um raio. Não deveria acontecer, pois no caso de Socorro, temos para-raios espalhados por toda a rede elétrica, porém, por causa de algumas falhas de equipamento ou manutenção, a energia cai ou os aparelhos eletrônicos acabam danificados”, enfatiza Giancarlo.

Uso do Disjuntor Diferencial Residual
Desde 1997, uma norma brasileira exige que qualquer instalação de baixa tensão (de 50 a 1.000 volts), usada em prédios, casas e sítios, tenha instalado na caixa de distribuição de força, um dispositivo chamado DR – Disjuntor Diferencial Residual. “Este dispositivo desliga o circuito de energia quando há uma fuga de corrente ou princípio de incêndio”, explica o engenheiro.

Giancarlo afirma que todo projeto de construção deve conter a instalação deste dispositivo, pois, em qualquer acidente que ocorra, se for constatada a ausência do DR, o responsável pelo projeto do estabelecimento, seja hotel ou pousada, ou residência, pode responder criminalmente pelo acidente, caso tenha assinado e autorizado o projeto sem a instalação do dispositivo. “Desde que a instalação do DR tornou-se obrigatória, tivemos uma redução nos acidentes com descargas elétricas, e várias mortes foram evitadas”, enfatiza ele.

Como se trata de uma norma recente, muitas casas não possuem o dispositivo instalado e estão com as instalações elétricas antigas, o que pode aumentar o risco de acidentes. Portanto, é preciso que os moradores busquem informações e façam um orçamento para trocar a instalação elétrica e instalar o DR. “O mais importante, não somente para a troca de todo o circuito de energia, mas para qualquer procedimento que envolva equipamentos elétricos ou a própria rede elétrica, seja feito por um profissional técnico e experiente, e com equipamentos de qualidade que, embora possam ter um custo mais elevado, podem evitar os acidentes.”, ressalta Giancarlo, que completa: “As edificações sofrem desgastes com o passar do tempo, e quanto mais velhas ficam, maior é a necessidade de um check-up. Qualquer imóvel com mais de dez anos precisa passar por uma avaliação criteriosa e este diagnóstico deve ser repetido a cada cinco anos. Só assim é possível detectar a necessidade de reformas ou modernizações”, finaliza ele.

Para mais informações sobre os cuidados e manutenção de redes elétricas, entre em contato com o engenheiro eletricista Giancarlo Mantovani pelo fone 3895-4206 ou pelo e-mail giancarlo@limep.com.br.

Cuidados dentro de casa

  • Não sobrecarregue as instalações elétricas. Elas devem ser projetadas de modo que seja possível prevenir perigos como incêndios e curtos-circuitos por superaquecimento dos fios.
  • Não faça gambiarras. Instalações elétricas provisórias ou precárias podem provocar choques elétricos e incêndios.
  • Evite o uso de “benjamins” ou “Ts” para evitar sobrecarga. Prefira sempre instalar mais tomadas.
  • Instale o fio terra e dispositivos DR. – Evite choques elétricos.
  • Use circuitos separados para iluminação e tomadas.
  • O quadro de luz deve estar sempre limpo, ventilado e desimpedido, longe de botijões de gás.
  • Não deixe aparelhos elétricos ao alcance das crianças.
  • Quando for trocar uma lâmpada, desligue o disjuntor.
  • Feche a água pelo registro antes de mudar a chave seletora quente/frio do chuveiro ou da torneira elétrica.
  • Nunca puxe o fio para desligar um aparelho da tomada.
  • Leia atentamente as instruções do fabricante ao instalar aparelhos elétricos.
  • Limpe os eletrodomésticos só depois de retirá-los da tomada.
  • Verifique se os aparelhos elétricos não estão com os fios desencapados.
  • Se as lâmpadas ou aparelhos elétricos de sua residência queimam com frequência, os disjuntores desarmam ou as tomadas e os fios estão ficando quentes, chame um eletricista qualificado.
  • Jamais coloque roupas na parte traseira do seu refrigerador.
  • Não mexa na parte interna de uma TV ou vídeo cassete, mesmo que eles estejam desligados. A carga elétrica fica acumulada em algumas partes do aparelho.
  • Ao usar cortador de gramas elétrico, fique atento ao fio de energia do aparelho para que ele não seja atingido pela hélice.
  • Cuidado com instalações elétricas em lugares úmidos, como lavanderias, garagens e jardins.
  • Quando houver tempestade com descargas atmosféricas (raios), desligue os aparelhos das tomadas e evite atender ao telefone.
  • Somente pessoas com conhecimento técnico devem executar trabalhos em instalações elétricas.

Perigos fora de casa

  • Reformas e obras civis, poda de árvores e trabalhos próximos à rede elétrica só devem ser realizados por pessoas com conhecimento técnico.
  • Não entre em áreas de instalações de energia elétrica. Se precisar pegar alguma coisa que tenha caído neste local, solicite a uma pessoa responsável pela guarda, operação ou manutenção dessa instalação.
  • Respeite os avisos de “Perigo – Alta Tensão” ou “Perigo de Morte”. Se foram colocados ali, certamente estão lá para protegê-lo.
  • Nunca suba nos postes de energia e nas torres de alta tensão. Além do choque elétrico, poderá sofrer uma queda.
  • Não atire arames, pedras ou outros objetos nos cabos, isoladores e equipamentos das redes de energia elétrica.
  • Ao soltar pipas procure lugares longe de redes de energia elétrica. E se uma pipa enroscar nos cabos da rede, não tente tirá-la. Chame um profissional da empresa de energia elétrica de sua cidade.
  • Instale antenas ou outros objetos metálicos longe da rede de energia elétrica.
  • Quando encontrar um cabo partido no chão, não toque. Fique longe e chame um profissional da empresa que presta serviços em sua cidade para resolver o problema.
  • Se encontrar uma pessoa que foi eletrocutada, não toque nela. Afaste o cabo ou o fio da pessoa com um pedaço de madeira seca ou outro objeto que não conduza a energia elétrica e chame socorro.
  • Fogueiras e queimadas debaixo dos cabos de rede de energia elétrica podem danificá-los e provocar falta de energia e acidentes.
  • Não suba nem encoste em árvores que estejam tocando os cabos das redes de energia elétrica.
  • Em acidentes automobilísticos envolvendo postes de energia elétrica, se estiver dentro do veículo procure não sair, até chegar o socorro. Se não for possível esperar, salte para longe do carro com os dois pés juntos, evitando encostar-se ao veículo e ao chão, ao mesmo tempo.
  • Caminhões com cargas muito altas podem ficar presos nos cabos da rede elétrica. Se isto ocorrer, não toque no veículo.
  • Em uma tempestade com descargas atmosféricas (raios), não fique debaixo de árvores, principalmente em lugares abertos.
  • Antes de iniciar qualquer trabalho na rede elétrica, o profissional deve interromper a corrente e deixar um aviso para que os outros não a liguem.

 

Artigo anteriorEdição de 25/01/2013
Próximo artigoFalsa proteção
- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias