Hoje: Bélgica

Leitura obrigatória

O mês de julho, no Rotary, foi um mês de partidas e chegadas: partiram Kayley Dowd, do Canadá e Reina Matsumoto, do Japão, que deixaram boas lembranças e muitas saudades entre nós; e retornaram as socorrenses Maria Vitória e Sofia, respectivamente da Bélgica e da Suíça.

Na 4º quarta-feira, dia 23de julho, Maria Vitória fez sua apresentação, contando sua experiência de intercâmbio. Veio acompanhada de seus pais, dr. Benedito Carlos e Flávia, seus tios João Vicente e Maria, seus primos Clarice e Breno e seu namorado Thomas.

Além de seus familiares, estiveram presentes rotarianos, interactianos, senhoras de Casa de Amizade, sua companheira de intercâmbio, a Sofia e outro intercambista socorrense, o Lucas, que esteve no México.

BÉLGICA pelo mundo 1 xxMaria Vitoria nos apresentou a Bélgica, da seguinte maneira:

– É um país de 30.000 km², com 10 milhões de habitantes e cuja capital é Bruxelas.

– Está dividida em 3 regiões: Flandres, Valônia e Bruxelas, onde fica a província de Limburg e a cidade onde viveu durante 12 meses – Zonhoven.

– É um país plano, facilitando o uso de bicicleta pela maioria da população, e também facilitou a implantação de uma grande rede ferroviária, que faz a ligação interna entre as diversas regiões do país e dele com os países vizinhos.

– É sede da união europeia, seu governo é monarquia parlamentar e possui muitos contrastes culturais, políticos e econômicos.

– Sua moeda é o euro e usa 3 idiomas: francês, holandês e alemão.

– A educação é gratuita em todos os níveis, pagando-se apenas pelos livros e/ou apostilas. O Ensino Infantil e o Fundamental possuem conteúdos básicos. Em seguida vem o Ensino Vocacional, que prepara os jovens para as tarefas específicas (tais como: pedreiro, encanador, cuidador de idosos e doentes etc.), com conteúdos simples e objetivos. Há, também, o Ensino Artístico, destinado ao desenvolvimento da música, dança, artes plásticas etc.

Depois vem o Ensino Técnico/Colegial, com conteúdo direcionado a diferentes áreas profissionais, que convergem para a universidade, cuja escolha é feita pelo aluno e onde ele ingressa sem necessidade de prestar vestibular.

– A saúde é de boa qualidade e para toda população. Você pode consultar qualquer profissional, paga a consulta ou procedimento que for necessário e, posteriormente, o governo reembolsa uma parte de suas despesas.

– As cidades mais importantes da Bélgica são: Gante: próxima à Holanda, sede das universidades, com grande concentração de jovens. Antuérpia: o maior porto da Europa e maior centro diamantífero do mundo. Bruges: cidade pequena, cheia de canais, conserva suas características medievais e é um grande polo turístico; Bruxelas: grande centro financeiro, que possui uma das praças mais bonitas do mundo, cercada de prédios enfeitados com incrustações a ouro. É a sede da monarquia. Zonhoven: cidade de 30.000 habitantes, famosa pelo seguinte: ser a terra da batata frita servida com maionese; terra dos chocolates de grande variedade e excelente qualidade; terra dos mexilhões, consumidos em grande quantidade; e por sua cerveja, de alto teor alcoólico e de todos os tipos (há cerveja feita até de frutas e, a de cereja, diz a Vitória que é deliciosa!)

– Suas festas mais tradicionais:

. 6 de dezembro: festa de São Nicolau, como o Natal, mas os presentes são laranjas e muitos chocolates.

. Carnaval: todos se fantasiam, cantam, dançam, brincam nas ruas e constroem carros alegóricos. É patrimônio cultural da Unesco e a maior diversão, nessa festa, é jogar laranjas e espremê-las na cabeça das pessoas.

Preparando-se para entrar na universidade, os alunos cursam os 3 anos de Ensino Técnico e, nesse período, as turmas promovem viagens para os outros países, a saber:

– No 1º Colegial vão para a França, no 2º Colegial vão para a Inglaterra e, no 3º Colegial, vão para a Itália. É esta a viagem da formatura, na qual Maria Vitoria conheceu Roma, Florença, Siena, Assis e Veneza.

Unindo-se a outros intercambistas, Maria Vitória fez, pelo menos uma vez por mês, uma viagem que envolvia visita a lugares históricos, museus, parques, acampamentos etc. Ao longo de seu intercâmbio ela visitou: França, Holanda, Itália, Alemanha, Inglaterra, Áustria, Espanha e República Tcheca.

Como resultado de toda essa diversidade cultural, do bom relacionamento com suas famílias “hospedeiras” e de seu esforço e dedicação, Maria Vitoria voltou falando melhor seu inglês e acrescentou o francês, o alemão, o espanhol e o holandês que, segundo seus “pais e irmãs” belgas, ela fala melhor que o rei.

Concluindo sua apresentação, Maria Vitória disse que gostou muito da Bélgica e que não notou a diferença entre os belgas e os brasileiros, pois eles também são cordiais, amistosos, alegres e com mente aberta para novas ideias e culturas.

Para recebê-la, preparam-lhe uma festa com grupos de capoeira, pulseirinhas do Senhor do Bonfim, passistas de escola de samba, música brasileira, um salão enfeitado com as cores do Brasil e as mesas tinham os nomes dos estados brasileiros.

Por isso, além da experiência com novas culturas, ela considera que a maior riqueza de seu intercâmbio foram as novas amizades e seus novos “pais” e “irmãs”. Pensa em voltar um dia para lá.

Encerrando a noite, ela serviu a todos um delicioso prato típico da Bélgica: carne de panela com cerveja e purê de batatas e, como sobremesa, chocolate belga, tudo delicioso!

Maria Vitoria deixou-nos com vontade de conhecer esse país e esse povo. Sabemos pelos responsáveis pelo intercâmbio, que ela foi uma extraordinária representante da cultura brasileira e ajudou a disseminar a paz e promoveu a aproximação entre os povos, objetivos maiores deste projeto do Rotary.  Parabéns e muito sucesso, sempre, é o que lhes desejamos!

 

- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias