Hoje: Japão  

Leitura obrigatória

Nesta semana, publicamos as “Impressões de um brasileiro sobre o Japão”, de Octavio Oliveira Santos Neto. Ele compartilha as impressões sobre o país da Ásia Oriental, onde passou 12 dias, e pôde notar várias peculiaridades do outro lado do mundo.

Se ainda estiver no clima das Olimpíadas e pensando em ir pra Tóquio 2020, não perca as dicas e boa viagem!

1) A maioria das lojas em Tóquio são verticais! Você entra em um ambiente estreito e aí vai subindo mais 7 andares ou descendo mais 2. Na verdade, todas as construções são bem estreitas, inclusive as residências. Os quartos de alguns dos hotéis são tão pequenos que não cabem mais nada além de você, sua mala, a cama e seus sapatos!

2) Em alguns bairros de Tóquio, parece que não é preciso combinar as peças de roupa para sair na rua. Você pode vestir um sobretudo com calça leg roxa, meias vermelhas e chinelos e ninguém vai ficar te olhando estranhamente!

3) Algumas japonesas vestem quimonos e saem para passear com eles nas ruas e nos templos, em dias normais, com chinelos de madeira, leque na mão e flor na cabeça.

4) A última sílaba é sempre tônica. A pronúncia certa da cidade é Hirô-shimá.

5) Os japoneses são muito simpáticos e gentis, mesmo quando não falam inglês. Apesar das barreiras todas com a língua, foi um dos países do mundo onde melhor fui tratado!

6) Os japoneses são tão educados que falam “obrigado” até em situações em que eu nem entendia o que eles estavam agradecendo…

7) Não vi nenhuma privada que não tivesse um controle com botões tecnológicos. As opções mais frequentes são: jato de água para frente, jato de água para trás, aquecimento da tampa do vaso e som ambiente. A descarga também tem duas opções, de acordo se você fez número 1 ou número 2.

8) Algumas privadas têm um sistema inteligente, com uma pia em cima, que é ativada junto com a descarga. Assim, você lava a mão, e a água escoada é utilizada para a descarga!

9) Furar fila não é só coisa de brasileiro.

10) É difícil comunicar-se em inglês por lá, pela dificuldade da pronúncia correta pelos japoneses e por ser pouco falado fora das grandes cidades e dos locais mais turísticos. Na dúvida, é possível “japonizar” o inglês seguindo duas regras básicas: 1) trocar todos os “L” por “R”; e 2) acrescentar a letra “O” após todas as consoantes mudas. Poucos vão entender “creditcard” e “tourist”, mas tenta só “credito cardo” e “touristo”… Se quiser um hambúrguer, procure pelo “MacoDonarodo’s”!

11) Para gesticular “não”, os japoneses cruzam os braços em frente ao corpo no gesto de “sou guerreiro”, da música do Jamil. Ninguém balança o indicador ,como no Brasil.

12) Os japoneses curvam a cabeça, tanto para agradecer quanto para cumprimentar alguém. E há um intensificador: quanto mais eles querem agradecer ou cumprimentar com muita felicidade, eles ficam abaixando a cabeça repetidas vezes, sem parar!

13) Não vi beijo no rosto, abraço ou aperto de mão, em 12 dias.

14) Há um poste com listras vermelhas e azuis giratórias, na entrada de todos os salões de cabeleireiro. Demorei a me acostumar com a ideia de que não eram lojas de doce!

15) Os japoneses sempre se prontificam para ajudar. Chegou a ponto de um motorista descer do ônibus e correr até a esquina, para nos mostrar a linha certa que deveríamos pegar, e voltar correndo para o ônibus, no meio do turno!

16) Toda hora você vai ouvir alguém falando “gozaimasu”. Pelo contexto, entendi que serve para “oi”, “obrigado” e “de nada”, mas falam tanto que, com certeza, deve ter mais significados!

17) No Japão, você embarca no ônibus pela porta de trás e desce pela da frente.

18) Em algumas cidades, dentro do ônibus você paga o quanto percorreu no trajeto. Quem desce após 1 ponto, paga cerca de ¥ 120 (4 reais), mas quem quer atravessar a cidade chega a desembolsar ¥ 620 (mais de 20 reais)! Dá pra filosofar bastante, quando comparamos com o sistema brasileiro…

19) Não é só mangá que é lido de trás para frente. Livros, revistas, panfletos e até cardápios começam também pelo final! E as frases podem ser escritas tanto na horizontal quanto na vertical.

20) Lá, sushi, sashimi, niguiri e yakissoba não são “comidas de restaurante japonês”. É simplesmente comida! É isso o que eles comem no dia a dia mesmo, seja no café da manhã, almoço ou jantar. Nos mercados, é isso que você encontra nas prateleiras de marmitas (obentôs), e é raro você ir a um restaurante em que não sejam esses os alimentos. Pizzaria é algo extremamente raro, por lá.

21) Sabe as toalhinhas úmidas para limpar as mãos que dão nos restaurantes japoneses no Brasil? É assim mesmo! No Japão, não importa onde e o que você vai comer (pode ser até um croissant), eles sempre oferecem tais toalhinhas ou, ao menos, lenços umedecidos! Eles até têm uma espécie de micro-ondas próprio para aquecê-las, chamado towelwarmer.

22) É muito comum os restaurantes de lá terem “vitrines” para a rua, com amostras de mentira de alguns dos pratos servidos na casa.

23) O shoyo no Japão tem outro gosto. Na verdade, tem outro molho que eles usam mais do que o shoyo. Usam tanto que, às vezes, vocês tem a sensação de que todos os alimentos têm o mesmo gosto.

24) Os japoneses não idolatram o salmão, como a gente pensa. Lá tem uma variedade bem maior de peixes, na comida, e eles comem lula e polvo com muito mais frequência do que no Brasil.

25) Os japoneses amam chá verde. Lá você pode encontrar sopa, doce, sorvete, refrigerante, bala e até Kit Kat sabor chá verde.

26) Cuidado ao pedir “coração” em churrascaria japonesa. Pode ser que venha coração de boi, para você comer.

27) Sabe quando você abre o pote de sorvete no freezer da sua casa e dentro tem feijão? Lá essa decepção é quando você abre a embalagem de doces, balas, bolachas, sorvetes… Portanto, cuidado quando achar que o recheio marrom do doce japonês é chocolate, pois em 95% das vezes vai ser doce de feijão!

28) É comum ver motoristas desligarem o motor do veículo, diante do semáforo fechado.

29) A reciclagem é totalmente levada a sério no Japão, e as lixeiras lá são todas separadas de acordo com o material. No “MacoDonarodo’s” você deve jogar o copo numa lixeira, enquanto a tampa e o canudo vão separados, em outra. E quando o lixo não pode ser reciclado, você deve optar pela lixeira “incinerável” ou “não incinerável”.

30) Lixeira na rua é algo extremamente raro! Se você comprar uma água ou um picolé, você deve levar o lixo para casa e descartar na lixeira correta.

31) É da cultura japonesa frequentar banhos públicos em algumas casas específicas para isso, chamadas “onsen”. Os homens são separados das mulheres, e todos entram pelados em banheiras bem grandes e quentes, após higienizarem-se com chuveiros móveis e bacias d’água. Inclusive, em alguns hotéis, disponibilizam esse tipo de ambiente.

32) Ninguém se abraça na hora de tirar foto ou selfie, por lá. Na verdade, todos fazem um “paz e amor” com os dedos, em toda fotografia. Será que para eles isso também quer dizer “paz e amor”?

33) Tatuagem lá é mal vista em muitos locais e pode impedir a entrada de pessoas em alguns lugares, como as casas de banhos. Tem placas grandes avisando e tudo mais!

34) É comum as crianças japonesas encararem estrangeiros, pela aparência diferente. Algumas até cochicham entre si e comentam. Quanto às pessoas de vestido longo de oncinha, com tênis, nas ruas, ninguém parece notar… hahaha

Artigo anteriorEdição de 26/08/2016
Próximo artigoNa década de 40
- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias