Hoje: Rosário, Argentina

Leitura obrigatória

Rosário é uma cidade da província de Santa Fé, na Argentina. De acordo com o último censo (INDEC), possuía em 2001, cerca de 909.000 habitantes e 1.161.000 na região metropolitana (Grande Rosário). Nasceu em 1665, como um povoado minúsculo chamado Pago de los Arroyos, ao sul do Rio Caracaraña. A região era habitada pelos índios guaicurus, integrados por tobas, abipones e pilagás. Viviam da caça de antas e de capivaras, sendo bons pescadores, para o que usavam redes.

Com a expansão da presença espanhola, o governador-geral de Buenos Aires concedeu as terras da atual cidade de Rosário a Juan Romero de Pineda. Em 1823, a aldeia – então com cerca de mil habitantes – recebeu o título real de “ilustre y fiel villa de Rosario”.

A cidade de Rosário é conhecida como o berço da Bandeira, e sua construção mais famosa é a do Monumento à Bandeira. Além disso, desde o século XIX, era conhecida informalmente como “Chicago da Argentina.”

Quem passou por lá, durante o feriado de Páscoa, foi Mario Fratini de Oliveira Santos e sua família.

Fale, Mario!

São aproximadamente duas horas e trinta minutos em voo direto, partindo de São Paulo, com desembarque tranquilo no Aeroporto Internacional de Rosário Islas Malvinas, que recebe uma aeronave por vez. É uma das principais cidades da Argentina. É banhada pelo Rio Paraná e está localizada a aproximadamente 300 km de Buenos Aires.

A Tam inaugurou este novo voo para explorar a Copa do Mundo de 2014. E por este motivo, a cidade não era tão conhecida por nós brasileiros, a não ser pelos seus dois clubes de Futebol: Rosário Central e Newell’s Old Boys.

O Monumento Histórico Nacional à Bandeira é o ponto turístico mais visitado na cidade. A partir dali, vale o passeio a pé pela Avenida Costanera, onde encontramos um parque linear frequentado pelas famílias Rosarianas, às margens do Rio Paraná, com diversos restaurantes à beira rio, dentre eles, recomendo o Don Ferro, antiga Estação de Ferro, datada de 1860.

Pela Rua Córdoba, onde estão as principais lojas da cidade, além de prédios históricos, como a Bolsa do Comércio e La Favorita, chega-se ao Boulevard Oroño, que cruza a cidade e passa pelo Parque de la Independencia. Imperdível o jantar no restaurante Rock & Feller’s.

Dentre as visitas obrigatórias, destaco o Museu de Belas Artes, a Catedral de Rosário e o Teatro Municipal. Para os aventureiros, lanchas de passeios partem da estação fluvial e percorrem o leito do Rio Paraná, passando pela ponte Rosário – Vitória.

Há diversos cafés pela cidade, para um boa parada, e destacamos, na Rua Córdoba, o Pan & Manteca.

Para quem estiver com crianças, La Isla de los Inventos está localizada na antiga Estação Central de Rosário; dentre suas atividades estão esculturas, pinturas, trabalhos com artesanato, todos feitos pelas próprias crianças, no momento da visita. Destaco, também, o Museu de los niños.

Por não ser tão explorada por nós brasileiros, não são todos os estabelecimentos que aceitam o dólar como moeda alternativa e, por isso, devemos levar um pouco de peso argentino ou trocar a moeda, logo na chegada.

Definitivamente, é uma ótima opção na Argentina, e uma surpresa para quem está em busca de novos destinos. Nós, da LaVie Viagens, viajamos a Rosário em abril de 2014, e temos dicas incríveis para nossos clientes e amigos.

 

Artigo anteriorEdição de 23/05/2014
Próximo artigoFamília Niero
- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias