No centenário da Abolição, O Município relembra a libertação dos escravos, em Socorro

Leitura obrigatória

A notícia publicada em nosso jornal, em comemoração ao centenário da abolição da escravatura, é interessante, por lembrar da libertação de escravos da Fazenda Fartura, adquirida anos mais tarde, em 1924, por Domingos e Ansano Coli, e que pertence a essa família até os dias atuais.

Centenário da Abolição
O Brasil inteiro comemora, nesta semana, o 1º centenário da Abolição da escravatura. Mais precisamente, no dia 13 de maio de 1988, estaremos exaltando com alegria a eliminação dessa chaga, que afrontava os mais elementares princípios humanos. A Abolição não foi uma dádiva dos poderosos da época, mas sim o reconhecimento de um direito indiscutível: o de que somos todos iguais.

Revendo os jornais da época da escravidão, gentilmente cedido pelo dr. Sebastião de Camargo Marques encontramos uma passagem relativa a Socorro, que desde aquela data, mostrava o espírito bom e compreensivo de seu povo. O jornal “Província de São Paulo”, datado de 29 de julho de 1882 (sábado), publica nota referente a alforria de 777 escravos, em diversas localidades, sendo 50 delas em nosso município.

Diz o jornal:

“É realmente digno de todo o louvor similhante acto de philantropia e mesmo de elevado patriotismo, pois patriota é todo aquele que concorre para a solução natural e pacífica do grande problema que se trata de resolver  – a substituição do trabalho escravo.

D. Demetria Polucena de Castro, S. Domingos do Rio do Peixe, município da Conceição Socorro, libertou 50 escravos seus, moços robustos, aos quaes legou terras da fazenda da Fortuna. Nomeou seu testamenteiro em primeiro lugar o dr. Vieira de Andrade, deputado geral devendo ficar este como tutor dos menores e com obrigação de mandar-lhes ensinar um ofício e ler, escrever e contar, para o que legou ella verbas suficientes.”

E removendo a nossa história, vamos verificar que em 1924 essa fazenda veio a ser adquirida por Domingos Coli e Ansano Coli, que ficaram proprietários das fazendas “Fartura” e “Pinheiros”.

O Sr. Domingos Coli, casado com d. Adélia, aqui radicou, onde faleceu, juntamente com sua esposa. O ilustre casal teve 6 filhos: Ítalo, casado com d. Maria Aparecida Souza Pinto, residente na fazenda “Fartura”; Arlindo, casado com d. Antonia Souza Pinto, também residente naquela propriedade; Luiz (falecido) que foi casado com d. Irma Coli; residente em Socorro; dr. Waldemar casado com d. Marilandes, médico e residente no Rio de Janeiro; dr. Dorival casado com Neuza Scorsa, dentista e residente em Bragança Paulista; e dr. Irineu, casado com d. Merineusa, médico e residente em Bragança Pulista.

Fazemos esse registro, para saudar tão ilustre família, conceituada e respeitada por todo socorrense. Existe uma forte ligação entre o fato que descrevemos sobre a alforria dos escravos, e a coincidência dessa propriedade estar em mãos de família honrada, e dedicada ao trabalho e ao bem comum.

- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias