O cachorro e a chegada do bebê

Leitura obrigatória

A chegada de um bebê muda muito a rotina e a vida da família e, muitas vezes, isso impacta diretamente a vida do cãozinho. Ocasionalmente, o impacto pode ser tal que o cão se torna apático ou até agressivo. Mas, por que isso acontece? E o que fazer para evitar que a situação chegue a isso?

A primeira coisa a se pensar é sobre as características do seu cão. Você o conhece melhor que qualquer outra pessoa. Ele é independente, está acostumado a ficar sozinho, tem bom temperamento e obedece? Esse é um ótimo começo. Seu cão é exigente, mostra sinais de agressividade quando contrariado, jamais fica sozinho e não obedece aos seus comandos? Bem, o trabalho vai ser um pouco mais intenso. Mas pode ser feito. Tenha paciência, e procure ajuda profissional, se achar necessário. A segurança do bebê deve ser prioridade.

A primeira coisa a avaliar é sobre as mudanças que vão ocorrer na casa quando o bebê tiver chegado, e preparar o cão antecipadamente. Por exemplo, se ele está acostumado a circular livremente pela casa e subir nas camas e sofás, isso continuará a ser permitido? Se não for, o melhor é ensinar as novas regras o quanto antes, para evitar que isso gere estresse desnecessário na presença do bebê, e a sensação no cão de que tudo mudou por causa da presença do pequeno. Ensine a não subir na cama ou sofá, a não entrar num determinado cômodo e todas as outras novas regras que você deseja que funcionem quando o bebê estiver em casa, antes da chegada dele. Uma vez ensinado, mantenha consistência. É difícil para o cão entender regras que variam com frequência.

Adapte a rotina, também. Se os passeios terão menos oportunidade de acontecer, vá reduzindo gradativamente. Se o local de dormir vai mudar, também faça a mudança bem antes da chegada do bebê. Se o local ou horário das refeições for mudar, a mesma coisa. Uma boa ideia é reduzir, também, a quantidade de atenção que se dedica ao cão, para que ele não sinta demais essa falta, quando o bebê estiver em casa.

Seguindo todas essas sugestões, o cão provavelmente não vai associar o bebê às mudanças na vida dele e terá menor tendência de demonstrar possessividade, quando na presença do novo habitante da casa. Agora que o cãozinho já está adaptado às novas regras na vida dele, vamos pensar sobre a presença do bebê na casa.

É essencial lembrar que nenhum dos dois, cão ou bebê, tem condição de avaliar comportamentos e se comportar como um adulto. Jamais deixe os dois juntos, sem supervisão. Uma ideia interessante é deixar o cão conhecer, antecipadamente, os objetos que vão se relacionar com o bebê e que ele ainda não conhece, como berço, bebê conforto ou outros itens assim, para evitar que sejam motivo de curiosidade, quando o bebê estiver usando. Os cães são naturalmente curiosos, é possível satisfazer ao menos em parte essa curiosidade, antecipadamente. Se seu cão costuma ser muito amigável, alguém pode segurá-lo no colo (ou na guia se for de grande porte) para cheirar o pezinho do bebê e ver a fonte dos novos sons e cheiros na sua casa. Itens usados pelo bebê também podem ser oferecidos para o cachorro cheirar e se habituar. Fazer carinho e brincar com o cão na presença do bebê vai ajudar seu amigo peludo a entender que a presença do pequeno também pode trazer coisas boas para o cão.

Por último, e não menos importante: use seu bom senso. Se achar que precisa de ajuda, não deixe de procurar. Com calma e cuidado, a chegada do bebê pode ser tranquila e agradável para o seu cãozinho.

 

Renata Cysne é adestradora, dogwalker e especialista em pet care. Mais informações podem ser obtidas pelo fone: (19) 99445-6052. Site: http://www.renataeoscaes.com/  Facebook e Instagram como renataeoscaes. Email: renataeoscaes@yahoo.com

Artigo anteriorRumo ao Hexa
Próximo artigoEdição de 22/06/2018
- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias