O povo não está querendo golpe, está  querendo o fim da corrupção”, dizem manifestantes que estiveram na Paulista  

Leitura obrigatória

“A educação do povo chamou a atenção. Uma manifestação pacífica e familiar. As pessoas estavam ali manifestando seu repúdio,  sua indignação, sem deixar de sorrir.  A alegria era contagiante. A população acordou, porque a mentira cansa. A polícia estava na rua  cumprindo seu papel, que por sinal foi perfeito. A população se sentiu segura e exerceu sua liberdade de expressão de forma tranquila. Foi um exemplo de cidadania. Durante todo o percurso, não teve palavrea-do de baixo calão dirigido à presidente. A população pedia a renúncia, a  prisão, sendo que o maior grito foi: Fora Dilma, Fora Lula e Fora PT! A mentira chegou ao fim, o povo cansou do discurso oportunista e populista, o povo está enojado com a corrupção deste governo”, disse a advogada Regina Kelly, que participou das manifestações contra o governo, no último domingo, 16 de agosto.

“Estava lindo, emocionante. Tocava o Hino Nacional e a turma se arrepiava. Lavamos a alma”, completou a assistente social, Vania Cid.

Elas estiveram na Av. Paulista, junto com Barbara Teixeira, Flavia Ferreira, Corália e Roberta. Lá, também encontraram outros socorrenses, como Marcelo Zavanela e o dr. Ulysses de Oliveira Santos.

Questionada sobre o porquê estar na manifestação, Regina disse que se sentiu afrontada pelas declarações feitas pelo presidente da CUT, dentro do Palácio do Planalto, que iriam pegar em armas” e completa: “ Um líder sindical, dizer que está preparado com armas e um exército para barrar qualquer tentativa de tirar a presidente do poder é a maior afronta que já vi. Este tipo de pessoa não me representa!  O cidadão brasileiro não pega em armas, não precisa disto, ele detém o necessário:  a voz, o sorriso, a alegria, a bandeira e a Constituição”.

Por fim, elas acreditam que a manifestação mostrou que acabou a história mentirosa do PT. “Eu vejo como o enterro do PT. O povo não quer mais a mentira. O povo não está combatendo a pessoa, está combatendo a corrupção”, encerram, convidando todos, para que exerçam o seu direito de cidadão, se manifestem, lutem pelo seu país, seja onde for. “O povo de Socorro precisa mostrar sua força e sua indignação”, encerram.

Dentre os políticos locais, o vereador Thiago Balderi, acompanhado de sua esposa Luciana, marcou presença na multidão da capital. Segundo ele, por ser um vereador “da oposição”, nos últimos três anos, muitos dos seus atos, sejam eles na tribuna ou em alguma denúncia por ele realizada, acabaram sendo rotulados. “Aqueles que me conhecem sabem que minha oposição é sempre em favor de Socorro. Quando resolvi ir a São Paulo, com minha esposa, neste último domingo, para participar da manifestação, reconheço que me despi da camisa de vereador e fui como cidadão. Fui para demonstrar a minha insatisfação ante aos inúmeros casos de corrupção ocorridos no país. E confesso, que a sensação de estar lá e cantar o Hino Nacional no meio daquela multidão que, independente de filiação partidária ou ideologia política, lutava por um país melhor foi indescritível. Chega de Corrupção!”, disse.

O psicólogo Francisco Silva Pinto, aproveitou que estava em Santos e resolveu participar das manifestações, que aconteceram por lá.  “O que me incentivou a entrar no movimento foi meu descontentamento com a política adotada pelo atual governo, com desvio, roubo e lavagem com o nosso dinheiro e principalmente pela impunidade”, diz ele, que marca presença em manifestações, desde os anos 80: Greve dos Bancários, Diretas Já, Caras Pintadas, Julho de 2013 e Março e Agosto de 2015. “É revigorante e ajuda muito em minha integridade física, moral e psíquica poder me manifestar contra o que nos faz mal”, conta Francisco, que estava em um grupo com cerca de duas mil pessoas, sem violência, com famílias inteiras, todas com o mesmo objetivo.

“Valeu muito à pena! Como diz Fernando Pessoa: “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”. Participarei de todas que tiverem. O povo na rua derruba qualquer poder, pois é  ele quem elege e ele também pode tirar!”, encerra.

Em Socorro, um pequeno grupo saiu em buzinaço pelas ruas, ainda em meio ao clima de Festas de Agosto.

- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias