Ortopedista faz alerta aos tipos de dores nas costas e à importância de um diagnóstico feito por especialista

Leitura obrigatória

A dor na região lombar das costas, chamada tecnicamente de lombalgia, é uma das queixas mais comuns da população. De acordo com o ortopedista Marcos Aurélio Verzani, uma das principais causas desta dor está relacionada às causas ortopédicas, entre elas, esforço físico, obesidade, má postura.

O ortopedista e traumatologista, com especialização em cirurgia em joelho, pela Unicamp, concedeu uma entrevista ao O Município e explicará um pouco mais sobre as causas e tratamentos da lombalgia.

O que é lombalgia?

Popularmente conhecida como “dor nas costas”, é caracterizada como uma dor inespecífica na região lombar (coluna inferior), que afeta grande número de pessoas nos dias atuais.

Quais os tipos?

Existem diversos tipos de lombalgia; várias causas e, dentre elas, as mais comuns são: causas ortopédicas (muscular, hérnia, artrose e trauma), clínicas (Pielonefrite ou “infecção nos rins”, doenças envolvendo coração e vasos, infecções) e cirúrgicas (pancreatite, doenças do fígado e patologias abdominais).

O que causa a lombalgia?

Na grande maioria das vezes as causas ortopédicas são predominantes, pois estão relacionadas ao esforço físico, obesidade, má postura, trauma, hérnia de disco e também ao processo degenerativo (envelhecimento).

Quais os sintomas?

Lombalgia de causa ortopédica se apresenta como uma dor do tipo “queimação” em coluna lombar baixa, relacionada aos movimentos, e que começa após esforço físico, podendo “travar” a coluna. Outras vezes se apresenta como dor aguda ou crônica com irradiação para um ou ambos os membros inferiores, podendo estar relacionada ou não à compressão neurológica.

Como pode ser diagnosticada?

Diante do exposto, a lombalgia é uma patologia primariamente clínica, pois os diagnósticos diferenciais com patologias ortopédicas são graves, podendo levar até ao risco de morte. Sendo assim, dor com minutos a horas de duração, que não está relacionada a esforço físico ou má postura, deve ser avaliada o mais rápido possível no pronto-socorro, que fará a triagem da provável causa. Dor com vários dias de evolução, com piora à movimentação, podendo ser localizada ou “repuxando a perna”, deverá ser investigada pelo especialista, no caso, ortopedista.

Há alguma faixa etária em que ela se manifesta com mais frequência?

Não existe idade específica, pode acometer pessoas com mais de 20 anos, sendo mais comum acima dos 40. Crianças e adolescentes devem receber atenção especial, por não ser uma queixa comum.

Em que idade ela se torna preocupante?

Acima dos 50 anos e abaixo dos 20 anos

Qual é o tratamento para a lombalgia?

O tratamento primário consiste em aliviar a dor aguda com medicação (anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares), além do repouso. Posteriormente, consiste num trabalho específico fisioterapêutico (RPG) de alongamento e fortalecimento muscular, além de métodos analgésicos. Na minoria das vezes, se houver sintomas neurológicos, como perda de força progressiva, diminuição da sensibilidade, perda de controle dos esfíncteres ou persistência da dor por mais de 6 semanas, poderá ser indicada cirurgia, pelo especialista.

Como evitar?

Alongamento prévio a esforços físicos, atividades físicas regulares para manter bom condicionamento muscular, baixo peso, postura adequada, movimentos corretos para levantar-se ou abaixar-se, colchão adequado, entre outras, são todas medidas que podem prevenir este tipo de dor de causa ortopédica.

Considerações

Gostaria de agradecer ao jornal O Município e à jornalista Stela pela oportunidade de informar a população sobre queixas comuns do consultório.

O dr. Marcos atende na Clínica Center, à Rua Marechal Deodoro, 99, Centro. O telefone para contato é 3895-1020.

- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias