Porte de arma da Guarda Municipal era discutido em 2004

Leitura obrigatória

O ano de 2004 trouxe balanço dos trabalhos executados pela Guarda Municipal de Socorro, que naquela época contava com um efetivo de trinta e oito guardas, sendo vinte nove homens e nove mulheres. A matéria foi publicada na edição de 9 de janeiro, nº 4304.

A apresentação do balanço final de 2003 trazia o registro de 6.225 ocorrências, a maioria delas (3.281) de auxílio ao público. Destaque para: agressão/lesão corporal (27), homicídio (1); tentativa de homicídio (1); estelionato/fraude (20); tentativa de furto (7); furto qualificado (15); furto de automóvel (2); furto de moto (8); furto em comércio (1); furto em residência (12); roubo (4); tentativa de roubo (1); suicídio (2), entre outros.

A edição seguinte, de 16 de janeiro, que trouxe como destaque a foto da dupla sertaneja Edson & Hudson, que fariam show na Associação, voltou a abordar a situação da GCM que brigava pelo porte de arma.

Segundo o Estatuto de Desarmamento, aprovado pelo presidente Lula, as corporações das cidades com menos de cinquenta mil habitantes perdem o porte de arma. A reportagem relatou que o então prefeito municipal José Mário e o então comandante da GCM, José Orlando Mucciacito, já estavam entrando com os recursos legais para reverter a situação, para que nossos guardas permanecessem armados.

Artigo anteriorEdição de 11/06/2020
Próximo artigoAgora com as asas!
- Anunciantes -
- Anunciantes -

Últimas notícias