O Pico da Cascavel em Socorro vem se tornando um dos locais mais procurados por turistas e pilotos de parapente para a prática do voo duplo. Além da bela paisagem, as características da rampa de decolagem, os aspectos técnicos para realização de um pouso seguro e pilotos experientes são razões para atrair visitantes de outras regiões para treinos e práticas.
Foi o que aconteceu durante os últimos dias 11 e 12, com o empresário José Sergio Werner e o comerciante Théilor Taiariol Jr, ambos pilotos de parapente de Blumenau (SC), que juntamente com o experiente instrutor, Kurt W. Steoterau foram recepcionados pelo Presidente do Clube de Voo Livre, Jackson Blaine Medeiros, pelos pilotos locais Edesio Bianquini, Denilson Napoleão e Giceli G. Fleming no apoio de resgate. Sendo assim foi possível, não somente realizar a capacitação e o treino prático de voo duplo de parapente dos visitantes, mas trocar informações e conhecimentos, além de voar com um ícone do voo livre brasileiro, respeitosamente aclamado de “Mestre”.
Segundo “o Mestre” Kurt W. Steoterau, piloto de VL há 34 anos, instrutor há 17 anos e homologado da CBVL, todo piloto de parapente que deseja realizar voos com passageiros, seja com amigos, familiares, turistas ou clientes, deve atender exigências da CBVL (Confederação Brasileira de Voo Livre) em horas de voo, distâncias e treinamentos de pilotagem segura (SIV) para depois realizar um treinamento específico para obter a habilitação da prática de voos duplos.
Sergio e Theilor, acostumados a pilotar seus parapentes em regiões de costa marítima em Santa Catarina, onde as condições são bem mais amenas, tiveram a experiência diferenciada em pilotar um parapente de duplo em nossa região de montanhas, com ventos mais acelerados e inconstantes.
Para Théilor, a maior dificuldade em pilotar o parapente em Socorro foi a concepção do espaço aéreo, a interpretação das condições ambientais e climáticas e os pousos restritos, exatamente por ser região montanhosa.
Apesar das condições adversas do dia, Kurt (em voo duplo com Sergio) e Theilor (voando solo) conseguiram obter excelentes resultados tanto nos voos locais como também no Cross Country, decolando do Alto da Serra em Serra Negra e pousando no Pico da Cascavel em Socorro.


Sergio e Theilor, que vieram também para realizar o curso de pilotagem segura (SIV), relatam que os treinamentos com o Mestre Kurt e o encontro com pilotos locais foi uma experiência “divisora de águas” para um voo seguro, principalmente trazendo a consciência da responsabilidade em relação aos passageiros de um voo duplo de parapente. Dessa forma, os pilotos visitantes estarão, certamente, “voando com ciência…voando com consciência” (título do livro de Kurt W. Stoeterau, 2004).

Giceli Fleming
Especial para O Município